FRETE GRÁTISpara compras acima de R$ 179,90

Produtos Essenciais para o inverno com descontos incríveis!

Carrinho

Imagem do post 7 tipos de micose de pele: como diagnosticar e tratar cada caso

As micoses de pele são infecções fúngicas que podem afetar as camadas epiteliais e tecidos adjacentes, como as unhas, mucosas e genitais. Geralmente, são mais comuns no verão, devido ao clima quente e úmido, que favorece o crescimento dos fungos. 1

Apesar de raramente provocarem sintomas sérios, exceto em pessoas com o sistema imunológico enfraquecido, as micoses incomodam bastante. Isso porque podem atingir áreas sensíveis, como as partes íntimas, causando irritação, hipersensibilidade e coceira. 1

Neste post, listaremos os sinais de infecções fúngicas, principais tipos de micose de pele e como tratá-las adequadamente, conforme a causa. 1

Aproveite a leitura!

O que são fungos?

Os fungos são organismos eucariontes e heterotróficos, ou seja, formados por células com núcleo delimitado e incapazes de produzir o próprio alimento, respectivamente. Esses seres têm o próprio reino, não são plantas nem animais. 1

O crescimento de fungos pode ocorrer como leveduras, organismos unicelulares de formato redondo, ou bolores, organismos multicelulares que formam filamentos alongados e finos. Eles costumam crescer em ambientes úmidos e de clima temperado, consumindo, principalmente, matéria orgânica em decomposição. 1

No caso das micoses de pele, os fungos que provocam essas infecções podem se alimentar de células epiteliais mortas ou de proteínas específicas que compõem esses tecidos, como a queratina. É por esse motivo que provocam erupções cutâneas, com coceira, ressecamento, rachadura ou descamação. 1

Principais tipos de micose de pele

Naturalmente encontrados na pele humana, os fungos podem causar infecções quando se proliferam de maneira descontrolada. As áreas mais úmidas do corpo, como virilha, axilas e o espaço entre os dedos, costumam ser as mais afetadas, junto das unhas e do couro cabeludo.  1

Nesses casos, os principais tipos de micose de pele são:

  • tinea pedis;
  • tinea cruris;
  • tinea corporis;
  • tinea capitis;
  • tinea unguium;
  • candidíase cutânea;
  • pitiríase versicolor.

Tinea pedis (Pé de atleta)

As tineas ou tinhas são dermatofitoses, infecções fúngicas na pele ou nas unhas, causadas por fungos que se alimentam de queratina. A tinea pedis, também conhecida como frieira ou “pé de atleta”, é um dos exemplos mais comuns, provocada por fungos dos gêneros Trychophyton, Microsporum e Epidermophyton.  2

Esses patógenos são facilmente encontrados em locais úmidos, como banheiros, vestiários e piscinas. Quando infectam a pele, provocam coceira, descamação e vermelhidão. Geralmente, afetam a sola e o espaço entre os dedos dos pés. 2

Tinea cruris (Micose da virilha)

A micose de virilha, ou tinea cruris, é outra dermatofitose, causada principalmente por fungos Trychophyton rubrum. Eles se proliferam nas dobras da pele, por serem locais úmidos e quentes, favoráveis à proliferação dos patógenos. 3

O uso de roupas muito apertadas, a obesidade e a falta de cuidados com a higiene pessoal são fatores que contribuem para esse tipo de infecção. Assim como na condição anterior, os sintomas comuns incluem coceira, irritação, vermelhidão e descamação da pele. Em certos casos, as erupções podem ser dolorosas. 3

Tinea corporis (Micose corporal)

As tinhas podem afetar, praticamente, qualquer parte do corpo. Nesse caso, quando não atacam uma área específica, como a virilha ou os pés, por exemplo, podem ser chamadas de tinea corporis. 4

Geralmente, são provocadas por fungos dos gêneros Trychophyton e Microsporum. A característica principal dessa dermatofitose são as erupções cutâneas, manchas vermelhas com o centro ligeiramente mais claro. 4

Também podem formar placas ressecadas, de formato arredondado. As áreas mais afetadas são pernas, braços, tórax, costas e rosto. 4

Tinea capitis (Micose do couro cabeludo)

Tinea capitis é o nome dado a micose do couro cabeludo. O fungo Trychophyton tonsurans é o principal causador da condição. Ela se manifesta como erupções cutâneas ressecadas e descamadas. Dependendo do caso, pode coçar bastante e formar pontos calvos (alopecia). 5

Tinea unguium (Onicomicose ou Micose de unha)

A tinea unguium, também conhecida como onicomicose, é a micose de unha. É causada por bolores, geralmente adquiridos pelo contato com uma pessoa ou superfície contaminada. Frequentar banheiros públicos, áreas de piscinas, saunas e vestiários, especialmente quando estes não são higienizados com frequência, pode elevar o risco de contrair a infecção. 6

As unhas infectadas podem desenvolver manchas brancas ou amareladas, com leve descamação. Em casos mais graves, ficam grossas, deformadas e quebradiças, com as camadas que formam a unha se desprendendo umas das outras. 6

Candidíase cutânea

A candidíase cutânea é uma infecção fúngica causada por levedura, a Candida. Esse fungo é encontrado normalmente na pele, boca e aparelho digestivo, sem causar incômodo. Porém, em determinadas condições, pode crescer excessivamente e desencadear sintomas desconfortáveis. 7

Os sintomas incluem erupções cutâneas, coceira e secreção pastosa e esbranquiçada, que flui dos poros. 7

Entre os fatores que contribuem para a candidíase na pele, estão 7:

  • falta de higiene pessoal, especialmente nas partes íntimas;
  • roupas de baixo apertadas ou sintéticas, que não são respiráveis;
  • sistema imunológico enfraquecido;
  • distúrbios crônicos de pele;
  • gravidez;
  • obesidade;
  • uso inadequado de antibióticos.

Pitiríase versicolor (Tinha versicolor)

A pitiríase versicolor é uma infecção causada pelo fungo Malassezia furfur, que pode ser encontrado tanto como levedura ou bolor. É outro tipo de microrganismo que vive na pele normalmente, sem causar danos. No entanto, existem pessoas predispostas geneticamente a desenvolver o crescimento excessivo e, consequentemente, a infecção. 8

Outras condições favorecem esse cenário, como calor, umidade e imunidade baixa. A pitiríase atinge, principalmente, a epiderme, camada superficial da pele. Assim, pode causar placas ou manchas na pele, com descoloração notável.  8

Ou seja, a área atingida adquire uma tonalidade diferente da percebida no tecido saudável, podendo ser marrom, castanha, rosada ou esbranquiçada.  8

Tratamento de micose de pele

O tratamento de micose de pele, geralmente, é feito com medicamentos antifúngicos que combatem especificamente o fungo que provoca cada infecção. Existem antimicóticos tópicos, aplicados diretamente sobre a pele afetada, orais e injetáveis. 9

Para receber o tratamento adequado, procure o dermatologista ou clínico-geral assim que notar os primeiros sintomas. 9

Conclusão

As micoses de pele são infecções fúngicas que podem incomodar bastante, mas geralmente não causam sintomas graves e respondem bem ao tratamento. Além disso, é importante adotar medidas preventivas, para evitar reinfecções. Nesse contexto, as principais recomendações são 9:

  • reforçar os cuidados com a higiene pessoal;
  • secar bem o corpo após o banho, especialmente áreas que podem reter umidade, como virilha, axila, dobras da pele, embaixo das unhas e no espaço entre os dedos;
  • evitar o uso de roupas muito apertadas e feitas de tecidos sintéticos;
  • ter uma alimentação nutritiva e balanceada;
  • manter uma rotina adequada de cuidado com a pele.

Falando em skincare, lembre-se de que hidratantes para corpo e rosto são indicados para manter o tecido cutâneo saudável, forte e sedoso. Se estiver procurando produtos com fórmulas inovadoras e desenvolvidos especificamente para o seu tipo de pele, conheça a linha de hidratação da Mantecorp.

Até a próxima!

1. Cleveland Clinic. Fungal Infections (Mycosis). Disponível em: https://my.clevelandclinic.org/health/diseases/24401-fungal-infections-mycosis. Acesso em março/2024.

2. Manual MSD. Pé de atleta (Tinea pedis). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/p%C3%A9-de-atleta-tinea-pedis. Acesso em março/2024.

3. Manual MSD. Coceira de jóquei (Tinea cruris). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/coceira-de-j%C3%B3quei-tinea-cruris. Acesso em março/2024.

4. Manual MSD. Tinea corporal (Tinea corporis). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/tinea-corporal-tinea-corporis. Acesso em março/2024.

5. Manual MSD. Tinea do couro cabeludo (Tinea capitis). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/tinea-do-couro-cabeludo-tinea-capitis. Acesso em março/2024.

6. Manual MSD. Onicomicose. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/doen%C3%A7as-ungueais/onicomicose. Acesso em março/2024.

7. Manual MSD. Candidíase (infecção por levedura). Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/candid%C3%ADase-infec%C3%A7%C3%A3o-por-levedura. Acesso em março/2024.

8. Manual MSD. Pitiríase Versicolor. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/dist%C3%BArbios-da-pele/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas-da-pele/pitir%C3%ADase-versicolor. Acesso em março/2024.

9. Manual MSD. Considerações gerais sobre infecções fúngicas. Disponível em: https://www.msdmanuals.com/pt-br/casa/infec%C3%A7%C3%B5es/infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas/considera%C3%A7%C3%B5es-gerais-sobre-infec%C3%A7%C3%B5es-f%C3%BAngicas. Acesso em março/2024.